Internautas franceses poderão ter que pagar 1€ por mês para compensar downloads ilícitos

by Miguel Caetano on 8 de Dezembro de 2009

A proposta já não é propriamente nova mas só agora é que os detentores de direitos de autor no campo da música francesa apresentaram oficialmente as suas sugestões perante Patrick Zelnik. O patrão da editora independente Naïve (a mesma de Carla Bruni, a esposa de Nicolas Sarkozy) foi encarregado pelo governo francês de presidir a uma missão de peritos com o objectivo de traçar uma estratégia para a melhoria da oferta legal de conteúdos online e a remuneração dos criadores.

Esta missão tem como pano de fundo a nova lei Criação e Internet/Hadopi 2, mais conhecida por lei da resposta gradual na media em que prevê o corte do acesso à Internet a quem for alegadamente apanhado a descarregar ficheiros protegidos por direitos de autor três vezes seguida. Estava previsto que o relatório da missão fosse publicado no início de Novembro mas entretanto a data sofreu vários adiamentos, de modo que o documento só deverá ser tornado público lá mais para o meio do mês.

Assim e tal como se previa, a Sociedade de Autores, Compositores e Editores de Música franceses (SACEM) considera indispensável a implementação de uma “contribuição modesta e quase indolor” no valor de um euro por mês a cobrar a todos os internautas (independentemente de descarregarem ou não música protegida por direitos de autor da Internet) de modo a compensar o efeito da descida das receitas da vendas de música no bolso dos detentores de direitos e ajudar a criar um fundo de apoio à produção (bem como à auto-produção) musical. Esta exigência é também partilhada pela ADAMI dos músicos e artistas-intérpretes.

Segundo Bernard Miyet, patrão da SACEM, tal quantia poderá engordar a conta bancária dos titulares de direitos franceses em 250 a 500 milhões de euros por ano. Para justificar esta medida, Miyet recita os números de sempre: uma descida de 750 milhões de euros nas receitas ao longo dos ultimos sete anos; só no campo dos direitos de reprodução mecânica (relativos às vendas de discos), prevê-se que as vendas descam de 200 milhões de euros em 2003 para 120 milhões de euros em 2012.

Mas então para que é que a Lei HADOPI 2 serve? Já não basta suspender o acesso à Internet aos alegados partilhadores? Para essas questões a SACEM e a ADAMI têm uma resposta pronta: “A lei ‘Criação e Internet’ é uma primeira resposta (à utilização não autorizada das obras e gravações protegidas por direito de autor na Internet), mas ela não é suficiente. Com efeito, qualquer que seja a eficácia da lei, o estado actual da tecnologia não permite suprimir de forma duradoura a difusão de gravações de fonte não autorizada. Irá subsistir sempre uma parte não negligenciável, notavelmente por meio do messaging e do surgimento de novos usos comunitários da Internet.”

Mas para além da retórica do “coitadinhos que nós somos”, existem vários constrangimentos legais e morais que comprometem fortemente a viabilidade desta recomendação. Em primeiro lugar porque o download não autorizado de músicas constitui já em si no Direito francês um delito penal passível de uma pena de até cinco anos de prisão e de uma multa de 375 mil euros.

O que esta taxa de um euro implicaria era que todos os internautas franceses seriam obrigados a financiar o modelo de negócio falido dos agentes do sector, independentemente de serem ou não partilhadores de conteúdos ilícitos. E o facto de pagar não desresponsabilizaria ninguém da possibilidade de ser punido. Ou seja, ao contrário da tarifa plana da Ilha de Man o que está em causa não é – nem por sombras – uma licença voluntária global, mas sim uma tentativa desesperada de extorquir dinheiro de tudo e de todos.

Depois, porque a SACEM, tal como as outras sociedades francesas de gestão colectiva, já recebem actualmente uma taxa da parte dos fornecedores de acesso à Internet e televisão aplicada sobre o preço de venda das boxes de televisão digital equipadas com disco rígido (precisam de pagar dez euros por cada 20 Gigabytes – será que também acontece o mesmo em Portugal? Muito provavelmente…). Do mesmo modo, os ISPs têm também que contribuir com parte do valor da sua subscrição.

Não obstante, as sociedades de direitos de autor estão a tentar ocultar isso mesmo da opinião pública, chegando ao ponto de exigir uma contribuição dos ISPs tendo em conta o seu volume de receitas. Mesmo assim, esta posição não é unânime no seio da industrial musical francesa. Por exemplo, o Sindicato Nacional da Edição Fonográfica (SNEP) já disse que tal taxa só serviria para deturpara a mensagem da luta contra a pirataria. Em alternativa, a associação das editoras discográficas pretende que o governo conceda um regime de benefícios fiscais aos ISPs que alocarem parte dos seus fundos para a promoção de ofertas legais, através de um fundo de apoio à produção fonográfica, por exemplo.

Bookmark e Compartilhe

Artigos relacionados:

  1. Estudo sueco conclui que internautas estão dispostos a pagar por um serviço legal de P2P
  2. Uma dúzia de deputados franceses chegou para aprovar lei que prevê suspensão da banda larga
  3. ISPs japoneses também poderão expulsar “piratas” da Internet
  4. Tarifa plana para legalizar downloads via P2P em 2009?
  5. Deputados franceses aprovam lei da resposta gradual

{ 10 comments }

1 Sua fonte de música! 8 de Dezembro de 2009 às 4:29

Internautas franceses poderão ter que pagar 1€ por mês para compensar downloads ilícitos http://bit.ly/523tmn

2 Laura S 8 de Dezembro de 2009 às 4:30

RT @musicaos: Internautas franceses poderão ter que pagar 1€ por mês para compensar downloads ilícitos http://bit.ly/523tmn

3 Antonio Arles 8 de Dezembro de 2009 às 6:10

#ultimas Remixtures: Internautas franceses poderão ter que pagar 1€ por mês para compensar download… http://bit.ly/4VUTg6 #blogosfera

4 sonoropt 8 de Dezembro de 2009 às 11:40

esta bonito esta.. porque não me pagam todos a mim tambem 1€?

mundo esta se tornar ganancioso. porque eles tem mais direitos que outras profissões? essas taxas sao pagas por tudo e todos ainda querem mais uma??

Quer dizer quem nao sacas esta pagar uma cena que nao usa sequer?
Faz me lembrar a taxa que pagamos de radiodivusao.. quem nao tem Televisao essa taxa vem na conta da EDP.. so um palavra FDP..

Continua com teus bons posts amigo sempre bom estar informado..

5 J 8 de Dezembro de 2009 às 15:08

Internautas franceses poderão ter que pagar 1€ por mês para compensar downloads ilícitos http://bit.ly/523tmn

6 J 8 de Dezembro de 2009 às 15:08

Internautas franceses poderão ter que pagar 1€ por mês para compensar downloads ilícitos http://bit.ly/523tmn Adorei!!!

7 bigkax 8 de Dezembro de 2009 às 17:24

A única maneira que eu concordaria a lei do 1€ era se acabassem com a de cancelarem o serviço de Internet e se não fossem todas as pessoas a pagar, há pessoas que quase não usam net, tem para ver email e pouco mais, usam uma ver por semana. Poderia fazer parte de um serviço adicionar.
Relatividade ao comentário a cima também se aplica para quem tem TV a cabo, usa os canais por cabo e continua a pagar taxas de radio visuais.

São todos iguais, alguns milhões não chega precisam de mais.

8 Karla Soares 8 de Dezembro de 2009 às 18:43

E na França os internautas poderão ter que pagar 1 euro/mês para compensar download ilícito. http://is.gd/5g6K6

9 Marco 9 de Dezembro de 2009 às 21:31

Tio sócrates amanhã quero uma audiência contigo. Como a empresa que vou criar não vai dar lucro … quero 50 centimos por mês de todos os portugueses pois a culpa de eu não vender é deles não me comprarem os produtos …

Morram parasitas …

10 Ricardo P. 12 de Dezembro de 2009 às 11:03

"(precisam de pagar dez euros por cada 20 Gigabytes – será que também acontece o mesmo em Portugal? Muito provavelmente…)."

Tenho quase a certeza que por cá não é assim. Aliás, é pior: nenhum dos operadores de cabo permite usar equipamento de acesso à TV digital sem ser a sua box e nenhum permite transferência do que está em disco. A única alternativa para copiar é a mesma de sempre: saída analógica.

A Zon até tem o desplante de desligar a saída componentes (analógico) por causa da pirataria – como é referido no próprio site de suporte da operadora!

Na Holanda, onde passei uns meses, todos os operadores permitem o uso de outras boxes. No caso do Ziggo a box deles até tinha um servidor de FTP, WiFi, etc. Parece ficção cientifica visto a partir daqui de Portugal… está visto que os tugas não são de fiar, pirateam à 1ª oportunidade!

Comments on this entry are closed.

Previous post:

Next post:

google - ukash - buruncerrahisi.com - burunestetik.de - geciktirici ilaç