DRM: Microsoft dá o dito por não dito e estende autorizações de MSN Music até 2011

by Miguel Caetano on 22 de Junho de 2008

Levante a mão quem alguma vez chegou a comprar downloads no finado serviço MSN Music da Microsoft. Pois é, a loja de música online da gigante de software veio a revelar-se um enorme fracasso, tanto que ela foi obrigada a fechá-la em Novembro de 2006 para dar lugar ao Zune Marketplace, uma plataforma online destina a concorrer com o ecossistema fechado iPod+iTunes da Apple.

Tal como o site anterior, este também recorre a tecnologia de DRM para “proteger” as músicas, isto é, impedir que os consumidores façam o que bem entenderem com os ficheiros. Acontece que o sistema de DRM empregue no Zune Marketplace, “Certified for Windows Vista”, é incompatível com o do anterior, o PlaysForSure.

Em Abril deste ano, a Microsoft desencadeou uma autêntica tempestade de relações públicas ao enviar um email ao pequeno grupo de utilizadores incautos que fizeram o disparate de pagar dinheiro por música com DRM onde avisava que se preparava para encerrar os servidores de concessão das licenças de autorização necessárias para reproduzi-las noutros computadores e dispositivos. Os utilizadores apenas dispunham de um prazo até ao dia 31 de Agosto de 2008 para copiarem as músicas para onde pretendiam escutá-las. A única alternativa consistia em gravá-las para um CD de modo a convertê-las para ficheiros MP3 e assim remover a DRM.

Mas esta semana parece que a Microsoft ganhou juízo e voltou atrás com a sua decisão. Segundo Peter Kirn do Create Digital Music, a empresa enviou outro email para os antigos clientes da MSN Music onde informa que irá continuar a estender o suporte aos servidores de DRM pelo menos até ao final de 2011. Nessa altura, a Microsoft irá “avaliar o nível de utilização desta funcionalidade e que medidas deverão ser tomadas no sentido de continuar a prestar suporte aos nossos clientes.”

Ou seja, até 2011 os utilizadores poderão continuar a ouvir as suas músicas e a transferi-las para novos PCs e dispositivos. A partir daí, é uma incógnita… Como é óbvio, esta decisão não teria sido tomada se os utilizadores não se tivessem juntado num coro de críticas que atingiu a blogosfera e a Internet em uníssono. Este episódio demonstra também que todos os utilizadores não gostam de DRM. Mesmo os que possuem menos conhecimentos técnicos a ponto de chegarem a comprar música com DRM acabam por contestá-la quando ficam a par das limitações que estas tecnologias de controlo impõem.

Nota: a imagem que acompanha este artigo está disponível aqui segundo uma licença CC-BY 2.0 e pertence a Schmiegel.

Bookmark e Compartilhe

Artigos relacionados:

  1. DRM trama clientes de MSN Music da Microsoft
  2. MIcrosoft mata PlaysForSure mas acaba por gerar mais confusão
  3. Microsoft pretende concorrer com Spotify
  4. Microsoft lança loja de música móvel com DRM – apenas para idiotas
  5. Subscrição do Zune: Microsoft agora também deixa ficar com 10 MP3s por mês

{ 3 trackbacks }

diga cultura
22 de Junho de 2008 às 13:35
Yahoo Music Unlimited: a DRM volta a tramar os fãs de música | Remixtures
25 de Julho de 2008 às 11:13
Wal-Mart muda de ideias e mantém servidores de DRM em funcionamento | Remixtures
10 de Outubro de 2008 às 12:35

Comments on this entry are closed.

Previous post:

Next post:

google - ukash - buruncerrahisi.com - burunestetik.de - geciktirici ilaç