HTTP ainda com mais tráfego que P2P

by Miguel Caetano on 19 de Junho de 2007

Que o fluxo de dados proveniente da Web já é superior à partilha de ficheiro realizada através de redes P2P não é novidade nenhuma. Isto é uma consequência lógica da ascensão do YouTube e dos outros sites de partilha de vídeos, bem como do MySpace. No final de Janeiro dei aqui conta de um suposto estudo da Ellacoya, uma empresa que oferece soluções de optimização de serviços de banda larga, baseado numa amostra de dois milhões de ligações de banda larga que concluía que o tráfego de HTTP já tinha ultrapassado o P2P, contando com 39 por cento da utilização da largura de banda face aos 37 por cento deste último. Na altura não consegui encontrar nenhum comunicado oficial.

Ontem, contudo, a Ellacoya divulgou um press-release oficial onde anuncia os resultados de um estudo muito semelhante mas em que a vantagem assegurada pelo HTTP face ao P2P é ainda maior: 46 por cento contra 37 por cento. Os newsgroups representam já nove por cento – alguns dizem que se podem encontrar por lá todos os filmes e séries imagináveis com absoluta privacidade e segurança… – seguindo-se o streaming sem recurso a HTTP (3%), jogos (2%) e VoIP (1%). Desta vez parece que a pesquisa assentou numa pesquisa junto de um milhão de assinantes de serviços de banda larga na América do Norte.

Parece-me que há aqui algo que não bate certo – para além do PDF indicar uma data que está atrasada um ano em relação à actualidade… Será esta outra versão baseada numa amostra de menores dimensões? Outro factor que apresenta algumas disparidades é a importância relativa do YouTube. Segundo o estudo inicial por si só este site de partilha de vídeos representava quatro por cento de todo o tráfego HTTP e dois por cento da utilização global de largura de banda da rede. Agora já é 20 por cento do tráfego de HTTP e quase dez por cento de todos os fluxos de dados que circulam pela Internet…

Discriminando a importância dos tipos de tráfego de HTTP, verifica-se que o streaming de vídeo (36%) e áudio (5%) relativo a serviços como YouTube, MySpace e Last.fm contam no total com 41 por cento deste tipo tráfego, ainda um pouco atrás das tradicionais páginas Web compostas de texto e imagens, com 45 por cento de todo o fluxo de dados transmitido na Web.

É curioso notar que alguns sites informativos como o Ratiatum e o TorrentFreak foram induzidos em erro ao comparar estes dados com os de um estudo ainda mais antigo da Ellacoya datado de Setembro de 2005 (comunicado oficial) que indicava que 65,5 por cento do tráfego da Internet era monopolizado pelas redes P2P, contra 27,5 por cento de consumo de largura de banda pelo HTTP, seguidos bem de longe por newsgroups (2,3%), streaming de áudio e vídeo fora de HTTP (4,7%) jogos e VoIP (1% cada). Isto porque os dados em questão referem-se a amostras completamente distintas: a pesquisa de há dois anos atrás assentou na monitorização da actividade de rede mais de um milhão de assinantes de serviços de banda larga na Europa, ao passo que o estudo actual refere-se a utilizadores na América do Norte. Não se pode comparar alhos com bugalhos e muito menos extrapolar resultados parciais para tirar conclusões sobre o nível de utilização global.


Bookmark e Compartilhe

{ 4 trackbacks }

» A verdadeira importância do P2P
23 de Junho de 2007 às 23:20
» A verdadeira importância do P2P
23 de Junho de 2007 às 23:22
P2P deverá gerar 28 mil milhões de dólares nos próximos cinco anos
24 de Agosto de 2007 às 15:56
P2P mantém primazia no tráfego de Internet com BitTorrent a liderar | Remixtures
1 de Setembro de 2007 às 23:02

Comments on this entry are closed.

Previous post:

Next post:

google - ukash - buruncerrahisi.com - burunestetik.de - geciktirici ilaç